“O tempo não para, não para não, não para…”

Já se passaram 30 anos desde que Cazuza, um dos maiores poetas da história da música brasileira,nos deixou. Suas letras e canções, sua imagem irreverente e principalmente sua mensagem, não nos deixaram esquecer de sua marca e legado.

Em 2000, na virada do milênio, dez anos depois de sua morte um grupo de jovens paulistanos, em sua maioria amadores, fizeram aquela que seria a primeira grande homenagem à sua obra.

Escrito e dirigido por Rodrigo Pitta aos 22 anos, “Cazas de Cazuza” chamou atenção por apresentar uma genuína ópera-rock nacional com arranjos e textos inéditos que ousava transformar canções de rock emblemáticas em um musical “ estilo Broadway” muito antes do Brasil ter se transformado em um polo consumidor e criativo de espetáculos do gênero.

O elenco afiado e afinado,formado por atores cantores desconhecidos da mídia, do teatro ou da tevê , foi outro fator que fez o espetáculo se transformar em fenômeno e lotar grandes casas de espetáculo e teatros como o Tom Brasil em São Paulo e o Canecão no Rio de Janeiro por várias semanas.

“Cazas de Cazuza” causou “frisson” como se dizia antigamente, teve excelentes críticas, reuniu em sua platéia uma gama impressionante de personalidades e seu elenco foi convidado para se apresentar em programas de Fausto Silva, Jô Soares, Hebe entre outros lideres de audiência. Por onde passou o espetáculo ganhou destaque na capa dos jornais, chegou a virar tema de tese em de universidade e até hoje é grande o número de pessoas que gostariam de revê-lo ou assisti-lo pela primeira vez.

Em menos de 50 apresentações, “Cazas de Cazuza” cumpriu sua missão, realizou o sonho de jovens desconhecidos mas desde então nunca mais foi assistido. Sua trilha Sonora lançada em cd pela Som Livre hoje é vendido como item raro no “mercado livre”, nas escolas de teatro musical como a CEFTEM no Rio de Janeiro, o espetáculo é cultuado por uma geração que nem havia nascido quando foi montado.

Este ano, em meio aos eventos que marcam 3 décadas sem Cazuza , o musical será montado com novo elenco no Vivo Rio no Rio de Janeiro para apenas 4 apresentações.

Parte da renda das vendas dos ingressos serão destinados a Sociedade Viva Cazuza.

Cazas de Cazuza foi a primeira grande homenagem feita a Cazuza e agora 20 anos depois ainda é tão atual, eu fui ver todos os dias no canecão e a cada dia era uma nova emoção. Não é uma biografia, não é um filme, são variações sobre um mesmo tema falando das várias facetas do Cazuza, é um musical muito bonito e vocês não podem perder, corram para comprar os ingressos.

Lucinha AraújoPresidente da Sociedade Viva Cazuza e mãe do cantor.

DATAS EM BREVE

Informações

O Vivo Rio e os produtores do musical Cazas de Cazuza, programado para ocorrer entre os dias 10 e 12 de Abril, informam que os espetáculos não poderão mais ser realizados nas datas marcadas devido às consequências e implicações da pandemia de Covid-19.

Em respeito às medidas oficiais e à segurança do público e dos profissionais envolvidos, os eventos serão adiados para novas datas que serão anunciadas tão logo se tenha a certeza de que poderão acontecer sem oferecer riscos aos participantes.

Gostaríamos de solicitar ao público que já garantiu seus ingressos para que os mantenham e assim possam colaborar para que o evento ocorra em toda a sua grandiosidade assim que for remarcado, uma vez que todos os ingressos valerão para as novas datas. Aqueles que optem pela devolução dos ingressos, devem enviar um e-mail para faleconosco@vivorio.com.br com o nome do espetáculo no assunto.

A remontagem deste musical após 20 anos é um sonho de muitos, queremos que ele aconteça da melhor maneira possível e seja inesquecível .

Contamos com o apoio de todos para que, juntos,possamos transformá-lo em realidade o mais breve possível.

TÚNEL DO TEMPO

Parece que foi ontem, mas 2020 marca 20 anos de história dessa peça que abriu uma nova era para o teatro musical brasileiro Cazas de Cazuza deixou saudade as mais de 300 mil pessoas que assistiram ao espetáculo em suas apresentações antológicas no Tom Brasil em São Paulo no Canecão no Rio e nas outras cidades brasileiras por onde passou.

Era como se fosse uma “igreja“ liderada pela magia dos personagens e pela saudade de Cazuza que há apenas dez anos havia deixado o planeta terra e as esquinas no Baixo Leblon.

O tempo não para!

Pro Dia Nascer Feliz 1:18

Brasil 0:57

Um Trem Para as Estrelas 0:37